Executive Coaching – Uma das melhores perguntas que já ouvi!

Eu ouvi essa pergunta dentro de um contexto de Executive Coaching, só que ela pode ser usada da mesma forma em várias outras opções 🙂 Uma das melhores e mais poderosas perguntas que já ouvi no Executive Coaching.

O que é Executive Coaching?

Existem várias formas de qualificar o que é Executive Coaching com diversas variáveis. Só que na forma tradicional, a empresa contrata um Coach para que esse Coach ajude um colaborador (o Coachee) a alcançar uma determinada meta (tem outras variáveis, poderia ser pra desenvolver uma habilidade, adquirir uma meta de venda, implementar um processo na empresa… pode ser pra diversas coisas)

Pra visualizar de uma forma concreta: a empresa contrata um Coach, capacitado pra isso, pra junto com o Coachee (que é um funcionário da empresa) desenvolver uma habilidade. Sair de um ponto A para um ponto B. Normalmente para que o Coachee performe melhor e a empresa tenha um colaborador melhor. Entende? O funcionário que passar pelo processo de Coaching cresce como ser humano, profissionalmente e contribui ainda mais com a prestação de serviço mais nível A.

Executive Coaching Nível A!

Uma das maiores sacadas que eu quero dividir contigo nesse momento, antes até de falar qual é a pergunta super poderosa, é que quanto mais você conseguir fazer com que o seu cliente alcance o que a empresa quer pra ele (entendendo que aquilo é bom também pra ele também) melhor você vai conseguir alcançar um processo de Executive Coaching Nível A.

A melhor sacada é fazer com o que o Coachee (colaborador da empresa) entenda que aquilo que a empresa deseja, é bom pra ele também. E aí você cria um ciclo do bem. A empresa contrata o Coach, o Coach trabalha o Coachee (colaborador), o próprio Coachee evolui e aí o Coachee devolve pra empresa com um serviço prestado com uma qualidade bem maior.

Só que tem mais do que isso, o caminho contrário é muito legal. O Coach fornecer para empresa um feedback, a empresa para o Coachee e o Coachee passar o feedback para o Coach. E aí fecha de vez um ciclo do bem.

Esse seria um modelo, em linhas gerais, bacana do que seria um processo massa de Executive Coaching. Agora bora falar da pergunta!

Essa pergunta eu ouvi a primeira vez de um Coach massa, que junta Coaching com PNL. É o Ronaldo Gueraldi que inclusive faz parte do meu time de Coaches, o Let’s Coaching.

Eu achei a pergunta incrível e quero dividir contigo agora, mas o mérito é dele. Beleza?

Se você trabalha com Executive Coaching, vai acontecer de no meio do processo você perceber que o Coachee está com o IDI (Índice de Domínio Interior) baixo, se sentindo mal e está considerando fortemente se demitir. E muitas vezes, a empresa contrata o Coach justamente pra reverter esse quadro por sentir que o colaborador não está mais motivado.

E nessa hora que o seu Coachee (colaborador) considera se demitir, é a hora que vem a pergunta poderosa incrível que o Ronaldo falou.

Usando a máxima do Coach ‘sem julgamento’, você fala com o seu Coachee: “Hum, entendi. Só me diz uma coisa, você quer se demitir da empresa? Da sua carreira? Ou do seu gestor?”

Às vezes a pessoa não aguenta mais a empresa, mas às vezes ela não aguenta mais a carreira ou ainda ela ama a empresa, ama o que faz e o problema é só o gestor.

Só que na cabeça do Coachee está um emaranhado de ideias, ele não consegue identificar se ele quer se demitir da empresa, da carreira ou do gestor. Essa pergunta incrível pode dar ao seu Coachee a clareza necessária para visualizar o real conflito.

Pensa em uma mesa com um monte de cartão de visita e você tem que achar um cartão ali no meio e quando você faz isso (a pergunta) é como se você tirasse um monte de cartão da mesa e deixasse só um, agora é possível visualizar aquele cartão bem, ele está em destaque, fora do emaranhado dos outros cartões. É exatamente isso que acontece quando você faz a pergunta estruturada dessa forma.

E se você não esclarece isso, é muito possível que esse Coachee vá levar adiante a demissão dele e muitas vezes ele nem queria se demitir da empresa. Era só uma questão de ajuste de expectativa com o gestor ou até de mudar de área.

Ou então o problema dele era com a carreira e aí você consegue intermediar uma realocação do funcionário dentro da própria empresa, uma mudança de carreira dentro da própria empresa, faz um planejamento com ele e ele vira um baita funcionário novamente.

Se liga… Meu objetivo nesse artigo não é explicar o que você vai fazer com a informação que a pergunta vai fornecer, massa? É fazer você entender a pergunta poderosa, que ela pode ser usada de outras maneiras, vale para qualquer área.

Imagina que você seja um Coach de emagrecimento e o seu Coachee lá na sessão contigo fale que não aguenta mais. Ai você fala assim: “Entendi, mas o que você não aguenta mais? Você não aguenta mais a sua dieta? Você não aguenta mais a sua carga de exercício? Você não aguenta mais seu personal trainer? Ou você não aguenta mais alguém da sua família desmotivando você?”

Não sei… você que é Coach de emagrecimento vai saber melhor que eu colocar essas perguntas, só preciso que você entenda a lógica da parada. E isso vale para processo de Coaching de relacionamento, vocacional, esportivo, de família, comunicação…. infinitas áreas!

O que eu quero mostrar pra você é a lógica da pergunta para você provocar o esclarecimento do seu Coachee já que nós, seres humanos, temos a tendência de generalizar tudo e possivelmente se o seu Coachee está com 1 ponto que não faz ele feliz no emprego dele, ele vai sair por aí dizendo que o trabalho dele é muito ruim e na verdade ele só precisa modificar um único ponto para se tornar um novo colaborador. Massa?

Espero que você tenha curtido esse artigo, fiz com amor pra você… qualquer dúvida que tiver, deixa aí embaixo nos comentários que meu time filtra e quem sabe vira assunto de um próximo vídeo meu.

Ah, eu quero convidar você para participar da turma #009 do Profissão Coach que está com as inscrições abertas pela última vez este ano 🙂 Para se inscrever é só clicar aqui.

3 Comentários


  1. O maior”drama” das lideranças ao meu ver é a falta de identidade. Muito investimento em titulações sem investimento em autoconhecimento. Excelente artigo!

    Responder

  2. O maior”drama” das lideranças ao meu ver é a falta de identidade. Muito investimento em titulações sem investimento em autoconhecimento. Excelente artigo!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.