Quando o objetivo não depende só do Coachee

Hoje vou responder a uma pergunta muito pertinente: “Geronimo, o que eu faço quando o Coachee tem um objetivo cujo resultado depende de algo externo, como o cônjuge?”. Vamos falar disso agora!! Só avisando logo no início que vou falar de uma perspectiva que ajude os Coaches a lidarem com essa questão dentro de uma sessão de Coaching, beleza?

A primeira preocupação que você tem que ter como Coach é a seguinte… existem dois casos diferentes que podem acontecer com o Coachee e que muitos mentores confundem: quando o cliente transfere a responsabilidade que cabe a ele a algo externo (eventos ou pessoas) ou quando ele aponta que o objetivo dele (o que ele quer pra vida dele) “depende” de uma outra pessoa.

Vamos aos exemplos!

Se o seu Coachee vira pra você e fala que deseja que a esposa diga mais “eu te amo”, você pode até pensar que, em tese, aquilo depende da própria esposa. Se o seu cliente quiser passar em um concurso, em tese podem haver 100 pessoas que estejam melhor colocadas que o Coachee, então também não dependeria dele. Se ele quisesse ser promovido, em tese quem tem a responsabilidade é o próprio chefe ou a empresa, pois podem preferir outra pessoa na hora da promoção… enfim, existem diversas metas que “em tese” não dependem 100% dele.

O ponto é que mesmo o objetivo sendo, em tese, externo, parte da responsabilidade cabe a ele pra que essa meta seja alcançada, que são as ações que estão dentro do controle dele. O que você pode fazer é conduzir esse cliente fazendo uma pergunta: “Entendo que você quer que sua esposa diga mais vezes que ama você, que se importe, mas o quanto depende de você pra que ela faça isso?”. Alguns podem dizer “Cara, 100%, porque se eu mudar minhas atitudes, eu sei que isso vai acontecer”. Pronto, tá feito o acordo.

Quem já foi ao WA (Wide Awake, um evento de imersão comigo) sabe bem do que eu to falando. Os Awakers saem do evento batendo no peito e dizendo “eu faço a minha vida”, o que quer dizer que eles dali pra frente se comprometem a assumir a responsabilidade do que acontece com eles.

Pra mim, na minha experiência como Coach, tá mais do que bom pra gente começar um processo de Coaching se o Coachee assume a responsabilidade de mudar suas atitudes pra conseguir alcançar o objetivo que quer (mesmo se ‘depender’ de outras pessoas).

Se liga aqui, Coach… se, por exemplo, o seu cliente achar que a responsabilidade dele emagrecer é da outra pessoa que compra a comida que vai pra casa dele, aí sim é um problema, pois a responsabilidade tá sendo posta em outra pessoa. Em alguma medida aquilo depende ele.

Você não pode mudar outra pessoa, mas você pode mudar a si mesmo, e as suas atitudes interferem no meio em que você vive e nas pessoas ao seu redor. Se o seu Coachee tá dizendo que ele é responsável por aquilo, vá em frente! Se ele estiver atribuindo a responsabilidade pra alguém que não seja ele, aí você precisa voltar e fazer a seguinte pergunta pra ele: “Ahhh então você tá me dizendo que 50% depende de você e 50% depende dessa outra pessoa? Tudo bem, mas o que você poderia fazer pra depender 80% de você e 20% do outro?”. Assim você começa a conduzir o seu cliente e retornar pra dentro ele a responsabilidade que ele mesmo tirou de si, mesmo que o resultado final “dependa de outras pessoas”.

Fez sentido pra você tudo isso que eu falei contigo hoje? Comenta aqui embaixo o que você achou e se teve algum insight sobre como abordar questões parecidas com seus clientes! Vou adorar ler o que você escrever pra mim 🙂

Olha só, acho que você pode curtir esses outros temas…

Crença limitante: o que é e como tratar

Coaching serve para acabar com os medos?

Preciso de nível superior para ser Coach?

3 características de um Coach que muda o mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.